Sexo: Lubrificação em excesso pode provocar algum problema durante a relação?

Tempo de leitura: 8 min

Escrito por gabriel
em setembro 14, 2022

O sexo é um tema que por anos foi tratado com certo tabu, impedindo até mesmo com que as pessoas pudessem discutir melhor sobre o assunto, tirando qualquer tipo de dúvida que pudesse surigr em relação a esse tópico, o que inclui a lubrificação.

Algo de grande importância para a realização de uma relação mais prazerosa e confortável, cuja relevância acaba não sendo muito comentada por causa das reticências do público a comentar de forma mais profunda sobre o tema, ignorando assim os seus detalhes.

Não é como se o sexo fosse invisível na sociedade, pelo contrário, é um tema comum de estar presente nos filmes, séries e até mesmo na literatura, além de ser um tópico que movimenta toda uma indústria de produções voltadas ao público adulto.

Contudo, a conversa em cima do sexo acaba sendo muito artificial, o que impede que certos detalhes de interesse de qualquer pessoa sexualmente ativa sejam conhecidos ou debatidos para obter uma relação saudável nesse sentido.

E da mesma forma em que uma fábrica deve recorrer a um centro de medição eletrica para garantir uma melhor mensuração sobre os índices de consumo de energia de tal negócio, para entender melhor sobre o sexo se destaca a conversa com seu médico.

O problema é que, mesmo no campo íntimo, o sexo acaba sendo um assunto pouco tratado, principalmente em relação ao público feminino, parcela da sociedade que sempre recebeu um maior julgamento sempre que o assunto era abertamente levantado.

Uma situação que aos poucos vem mudando, diante de uma geração que se mostra mais aberta para discutir de forma profunda o tema, o que não só inclui a sua liberdade sexual, mas também a busca por informações mais relevantes que antes eram ignoradas.

O que inclui o conhecimento maior em cima de assuntos como as doenças sexualmente transmissíveis, já que um entendimento maior sobre isso ajuda as pessoas a se prevenir, evitando a necessidade do uso de descartaveis cirúrgicos em uma possível internação.

Contudo, mesmo quando se fala sobre sexo, ainda existem tabus que impendem o públco de falar a fundo sobre o assunto, mantendo as conversas em um nível artificial por uma falta de segurança ou receio em discutir abertamente sobre alguns detalhes pessoais.

O que inclui a importância da lubrificação durante o sexo, tema que acaba sendo um tabu maior para as mulheres, mesmo tratando-se do público que lida diretamente com o assunto durante suas relações.

O papel da lubrificação no sexo

Por ser um tema não muito discutido, principalmente pela forma inadequada na qual a população é introduzida ao sexo (por meio da indústria pornográfica, focada no espetáculo ao invés de retratar a realidade dessas relações), certos detalhes passam despercebidos.

E isso inclui o papel da lubrificação durante o ato sexual, algo necessário para evitar um excesso de atritos, o que pode causar incômodo ou até mesmo ferimentos durante a relação sexual, deixando de ser uma atividade prazerosa para quem a pratica.

O mesmo tipo de importância que se encontra também no setor fabril, no qual uma fábrica de bacia com saida horizontal, por exemplo, precisa garantir a lubrificação das peças de suas máquinas, de forma a evitar com que o atrito constante prejudique seu funcionamento.

E se isso é válido para o setor mecânico, o que dizer então das relações humanas? Algo de tamanha importância que precisa ser garantido para todos os tipos de práticas, sendo normal e recomendado recorrer ao uso de lubrificantes sintéticos durante o ato.

Produtos de grande relevância para a prática do sexo anal, no entanto, não é somente a ele que se destina o uso desse tipo de produto, já que o seu uso durante o sexo vaginal é também de grande importância, apesar de não ser algo muito discutido.

Principalmente quando se fala da lubrificação natural produzida pelos órgãos sexuais femininos, que em diversos casos pode não ocorrer em uma quantidade o suficiente para garantir um melhor conforto durante o ato sexual.

Uma relação orgânica que ocorre como resultado de estímulos direto ou indireto que colocam em ação às glândulas responsáveis por esse tipo de produção, o que envolve as de Skene e Bartholin e o canal uterino.

Produção natural essa que é desenvolvida para garantir um melhor sensação durante o sexo, sendo algo que merece atenção, da mesma forma em que uma empresa deve lidar com o conceito de compensação ambiental para uma relação saudável com a natureza.

Mesmo tendo o seu valor para as relações sexuais, o tabu em cima do assunto, principalmente em relação às mulheres, faz com que certos detalhes e condições médicas sejam ignoradas, causando um desconforto que pode até mesmo atrapalhar tais relações.

Pois da mesma forma em que algumas mulheres têm que lidar com um baixo nível de lubrificação natural, o que pode ser resolvido com o simples uso de materiais sintéticos disponíveis em farmácias, existem também as que lidam com uma lubrificação em excesso.

Lubrificação excessiva: É um problema?

Não necessariamente. Na verdade, quando melhor lubrificado for o sexo, melhor pode ser a sensação de prazer entre os participantes, com o único perigo estando voltado ao uso de materiais com sensações sintéticas, por causa dos seus aditivos químicos.

Mas quando se fala da lubrificação natural, não existe problema nenhum, no entanto uma produção excessiva pode até não trazer nenhum empecilho físico, mas pode atrapalhar as relações por causa do seu impacto psicológico.

Um erro comum é achar que o corpo humano funciona de maneira comum a todos, como se um projeto rede de distribuição desenvolvido pelas indústrias também se adequasse à produção de certos hormônios como algo uniforme a todos.

Alguns possuem mais, outros menos, e o mesmo é válido para a questão da lubrificação feminina. No entanto, quando existe um excesso nesse sentido, pode ser que essas mulheres se sintam até mesmo envergonhadas, como se isso não fosse algo natural.

Situação que acaba criando um desconforto desnecessário, o que pode afetar a autoestima dessas mulheres, não só atrapalhando a sua performance sexual, como fazendo com que elas não se sintam seguras para ter acesso ao prazer gerado nessas relações.

Por não se tratar de um problema de fato, ao menos não na maioria dos casos, não existe uma cura para esse excesso de lubrificação. No entanto, caso haja um certo desconforto em relação a isso, existem práticas que podem ser úteis para lidar com o tópico.

Dicas para lidar com o excesso de lubrificação

Caso haja um certo desconforto com esse tema em questão, principalmente para quem participa de uma relação casual, sem uma relação de maior duração com o parceiro ou parceira, existem algumas dicas fáceis que podem ser de grande relevância, como:

Preservativos

O uso de um preservativo é recomendado por uma série de questões, como a prevenção contra doenças sexualmente transmissíveis ou até mesmo uma gravidez, mas além disso o seu também pode ser de valor para quem lida com uma lubrificação excessiva.

Isso porque a falta de contato direto com o órgão sexual pode evitar qualquer tipo de incômodo com o líquido produzido, pelo contrário, a presença de lubrificante nesses casos se mostra ainda mais importante.

Redução das preliminares

Por mais que as preliminares sejam essenciais para uma relação mais prazerosa, principalmente pelo estímulo às glândulas responsáveis por realizar essa lubrificação, quando se existe um problema de produção em excesso, é indicado moderar a prática.

Cabendo a cada um conhecer bem o seu corpo, de forma a entender o seu tempo adequado durante a prática. Tal como uma empresa pode recorrer a uma eficiência energética consultoria para compreender melhor o seu uso de energia.

Toalha

Um artifício que pode ser útil para esses casos é o uso de uma toalha, mesmo que uma pequena, que esteja à fácil acesso durante o ato sexual, para secar qualquer tipo de excesso que possa ocorrer durante o ou anterior à relação.

Pompoarismo

A realização dessa prática voltada à contração dos músculos dos órgãos sexuais pode ser também uma forma de reduzir essa produção de lubrificação excessiva, passando principalmente por um melhor controle sobre o seu corpo em si.

O mesmo tipo de conhecimento que um sistema de segurança pode trabalhar ao adotar o uso de uma câmera de segurança para empresa. O mais importante é conhecer bem o uso de suas ferramentas, o que no caso da lubrificação envolve o corpo em si.

Apesar de se tratar de algo natural, de fato o excesso de lubrificação é algo que deve ser visto com atenção, principalmente se ele passar a ocorrer em um nível diferentes de antes. Até porque as suas causas podem ser diversas, entre elas:

  • Gravidez;
  • Certos medicamentos;
  • Possíveis infecções;
  • Ejaculação feminina.

Sendo importante discutir alguns desses temas com o seu médico para encontrar o que pode estar causando esse desequilíbrio, mesmo que tenha a lubrificação excessiva como algo comum, também é indicada uma visita a um profissional de saúde.

Principalmente para quem possua um certo desconforto ou até mesmo vergonha sobre o assunto, sendo importante conversar com um especialista que pode tirar qualquer dúvida sobre o assunto, deixando assim essa mulher até mesmo mais segura de si.

Pois da mesma forma em que se procura por um sistema flexível por qualquer tipo de empresa, como um distribuidor de purificador de água, essa mesma elasticidade e segurança também se procura durante as relações humanas.

O que no caso do sexo envolve a lubrificação, algo que está longe de ser um problema, mas sim uma necessidade para se ter acesso a uma relação confortável e mais prazerosa, permitindo até mesmo uma relação mais positiva com o sexo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade