Resíduos sólidos: Entenda como é feita a classificação de resíduos

Tempo de leitura: 7 min

Escrito por gabriel
em setembro 2, 2022

A preocupação com a destinação dos resíduos, principalmente a disposição dos resíduos sólidos, não é novidade nos dias de hoje.

Muito tem se discutido sobre a importância da destinação adequada dos rejeitos desde a reunião ECO-92 das Nações Unidas, que visa abordar como mitigar a degradação ambiental e garantir um ecossistema saudável para as gerações futuras.

Esta conferência foi seguida por uma série de eventos e uma série de leis promulgadas para garantir que os esforços de conservação ambiental que envolvem o tratamento de efluentes liquídos sejam realizados em toda a extensão possível.

Assim, fica claro que as preocupações ambientais tornaram-se uma agenda ainda mais importante e, desde então, todos os indivíduos devem ajudar a desenvolver um planeta que descarte adequadamente os resíduos sólidos.

Quando se trata da indústria, essa destinação adequada pode ser realizada por meio de uma empresa de tratamento de resíduos sólidos que estruture as funções em programa de gerenciamento.

Isso porque esse tipo de medida garantirá que a empresa cumpra as normas ambientais vigentes. Mas o que é um plano de gestão de resíduos sólidos? Por que é tão importante e como é realizado esse processo? Vamos conferir tudo neste artigo!

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Antes de tudo, o plano de gerenciamento de resíduos sólidos industriais, comumente conhecido por PGRS, é um documento em que a indústria explica como os resíduos sólidos são tratados e quais medidas de proteção ambiental são tomadas em seus processos internos.

Desde a criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, em 2010, todos os negócios que geram esse tipo de resíduo, de hospitais a usinas de elaboração de projeto de terraplenagem, tiveram que desenvolver o plano.

O documento também destaca toda a relação entre indústria e resíduos, incluindo partes como:

  • Transporte;
  • Manuseio;
  • Gestão;
  • Destinação final dos resíduos.

Todos esses procedimentos só podem ser elaborados por técnicos qualificados na região.

Além disso, o PGRS deve estar alinhado ao plano de gestão integrada de resíduos sólidos desenvolvido pelo município e deve demonstrar que a empresa se preocupa com seu impacto ambiental e se esforça para minimizá-lo.

Com uma compreensão do que é um plano de gerenciamento de resíduos sólidos valor, este artigo focará na relevância de tais programas.

A importância do gerenciamento de resíduos sólidos

Cuidar dos ecossistemas é essencial para sustentar a vida em todo o planeta, e essa qualidade é atribuída a uma indústria pelo PGRS e merece destaque.

É fundamental que as empresas não apenas priorizem suas atividades, mas também reconheçam que a falha em gerenciar a geração de resíduos de forma eficaz pode causar muitos contratempos ao meio ambiente.

A gestão de resíduos sólidos também ajuda a evitar multas e problemas legais, pois em muitos estados, as licenças para operar só são concedidas quando o plano é apresentado.

Isso ocorre porque o governo local quer determinar o que o negócio fará e os benefícios e o impacto que o setor trará para a região.

Além disso, o setor tem potencial para reduzir os impostos que paga por meio da adequação às leis ambientais, como a redução do ICMS (circulação de mercadorias e serviços).

Como o NBR 10.004 é essencial nesse processo?

A classificação é um processo que envolve a identificação das atividades geradoras de resíduos e seus componentes, e é realizado de acordo com a ABNT NBR 10.004.

Ou seja, essa norma é estabelecida para identificar as características desses componentes, definir o licenciamento ambiental simplificado e realizar a comparação com listas de resíduos e substâncias conhecidas por causarem impactos à saúde e ao meio ambiente.

Os resíduos perigosos são classificados como resíduos Classe I, e os resíduos não perigosos são classificados como Classe II, que se subdividem em Classe II A, que são resíduos não inertes, e Classe II B, que são resíduos inertes.

Como criar um plano de gestão do zero?

Assim como o polimento de um piso industrial em um shopping ou supermercado exige que a organização seja feita com precisão sem a necessidade de fluxo de clientes pelo espaço, o PGRS exige uma logística cuidadosa.

O primeiro passo no desenvolvimento de tal plano de gestão de rejeitos é quantificar a quantidade de resíduos gerados em cada processo da indústria.

O diagnóstico inicial, que pode ser feito por meio da ficha de controle, deve conter o tamanho, a quantidade e a data de geração dos resíduos.

Assim, por exemplo, uma empresa prestadora de serviços ambientais deve informar em sua planilha a quantidade de plástico descartada ao final do processo produtivo das empresas que estão gerenciando.

O segundo passo deve ser definir as operações de gestão de resíduos sólidos a serem realizadas. Nessa etapa, é especificada a forma de reciclagem e descarte, como será feita a coleta e qual será o destino final desses itens.

Os planos de gestão de resíduos sólidos geralmente recomendam a coleta de resíduos sempre que um local de armazenamento de resíduos atingir ¾ (três quartos) de sua capacidade total.

Dessa forma, a logística de descarte deve ser suficiente para respeitar a capacidade do local de armazenamento. Em seguida, deve ser desenvolvido um plano de contingência dentro do PGRS.

Os planos de contingência são projetados para minimizar os danos ao meio ambiente e minimizar os riscos para o pessoal da indústria.

Assim, por exemplo, as indústrias que lidam com resíduos tóxicos devem detalhar como manter os ecossistemas e as pessoas seguros em caso de derramamento de resíduos.

Em seguida, devem ser discutidas as metas de redução de resíduos. Essa etapa dependerá do tipo de indústria, pois em alguns casos os resíduos podem ser reciclados.

É o caso das empresas que certificam e realizam análise de ar ambiente. A longo prazo, essas indústrias podem incluir metas em seus respectivos PGRSs para coletar cilindros antigos e reutilizá-los.

Essa estratégia, chamada de logística reversa, é muito benéfica na redução da geração de resíduos.

A penúltima etapa trata dos problemas do ciclo de vida do produto. Uma empresa deve saber que, mesmo com a redução de resíduos, ainda gera resíduos sólidos por meio de seus produtos. Isso é evidente no manuseio de embalagens de alimentos e bebidas.

Portanto, é fundamental que a indústria também considere maneiras de reduzir o ciclo de vida desses produtos, pois eles persistem na natureza por longos períodos de tempo.

Um bom exemplo disso é quando as empresas impermeabilizam sofás e substituem produtos usados ​​por impermeabilizantes ecológicos que não danificam o ecossistema como os produtos mais antigos.

A etapa final é incluir algumas verificações regulares no plano de manejo para garantir que todas as partes do plano estejam sendo executadas corretamente.

Agora que a forma correta de construir um plano de gestão de resíduos sólidos foi visualizada, é importante entender alguns dos benefícios do PGRS para a indústria.

Vantagens do PGRS para empresas

A primeira vantagem que o PGRS tem para uma empresa vem da certificação que ela obtém após garantir a destinação correta dos resíduos. Concedida por meio dos selos ISO 14000 e 14001, essa certificação garante que a indústria tenha foco na natureza.

Isso tem um impacto positivo no público, principalmente para os clientes mais ecologicamente conscientes, e pode levar à fidelização dos consumidores que se preocupam com essa questão.

Além disso, um programa decisivo de gestão de resíduos sólidos pode ajudar uma indústria a economizar em várias áreas.

Isso porque o acompanhamento próximo de todas as etapas de produção proporcionado pelo PGRS ajuda a empresa a verificar se há algum desperdício de matéria-prima e energia.

Assim, uma empresa que fabrica sacolas plásticas personalizadas pode começar a comprar menos matérias-primas se perceber desperdício. Isso beneficia indústrias com gastos reduzidos e um ambiente menos poluído.

Considerações finais

Um plano de gerenciamento de resíduos sólidos é um documento importante que auxilia as empresas a destinar seus resíduos de forma ambientalmente correta.

Esse plano é necessário porque ajuda a garantir a continuidade do ecossistema e também ajuda a proteger os funcionários da indústria de possíveis riscos, como contaminação e exposição a vetores de doenças. Quando planejado adequadamente, o PGRS pode ajudar a:

  • Reduzir os custos de matéria-prima;
  • Evitar questões legislativas;
  • Trazer uma boa imagem da empresa para o público;
  • Reduzir a carga tributária.

Com isso em mente, é importante que as organizações comecem a desenvolver seus próprios planos de gestão de resíduos sólidos de acordo com suas atividades internas e como elas afetam o meu ambiente de alguma forma.

É um dever de toda e qualquer organização cuidar da riqueza do meio ambiente de forma incisiva, principalmente as empresas que mais atingem e causam impacto ambiental.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade