Empreendimentos: o que é o indicador breakeven?

Tempo de leitura: 3 min

Escrito por admin
em junho 30, 2022

Tudo o que você precisa saber sobre o indicador contábil de ponto de equilíbrio

Os indicadores de desempenho são ferramentas de gestão utilizadas pelas empresas e  startups. A função é avaliar os dados e resultados gerados a partir da execução das atividades e verificar se eles estão alinhados com a estratégia do negócio. 

Por meio da análise desses indicadores é possível analisar o desempenho da empresa e adotar medidas para melhorar os resultados e garantir sua adequação com um planejamento estratégico.  

O que é o breakeven?

Breakeven, que pode ser traduzido livremente como “ponto de equilíbrio”, é um indicador utilizado para avaliar se a empresa alcançou a etapa em que não registra prejuízos ou lucros. Ou seja, ele se refere ao ponto de equilíbrio em que a empresa está “zero a zero”. 

Na prática, significa dizer que o breakeven é aquele momento em que o negócio arrecada dinheiro suficiente para cobrir todos os custos, mas ainda não tem lucros. Depois de alcançar o ponto de equilíbrio, o próximo passo é tornar a empresa lucrativa. 

Qual é a importância do breakeven?

O ponto de equilíbrio é um indicador contábil. Por isso, quando a empresa calcula o breakeven, ela consegue entender como está a saúde financeira da organização.

Ele é importante pois permite aos gestores realizar um acompanhamento eficaz da situação econômico-financeira do negócio. O empresário deve manter o controle frequente das finanças e das operações, pois assim consegue qualificar o seu processo de tomada de decisões, uma vez que identifica previamente os riscos, as falhas e as oportunidades de melhoria.

O breakeven permite identificar o nível de investimento que a empresa precisa atingir para recuperar o investimento inicial, por isso é considerado uma margem de medida de segurança.

Somado a isso, é um indicador largamente utilizado no planejamento estratégico e financeiro, na negociação de ações, opções de investimentos e de orçamentos corporativos. 

Como calcular o breakeven?

Para calcular o breakeven é necessário fazer um levantamento de todas as entradas e saídas do caixa da empresa. O gestor precisa ter o máximo de informações a respeito dos custos fixos e variáveis do negócio. 

Custos fixos

Quer saber como conhecer os custos fixos da sua empresa? Isso é mais simples do que parece. Entram nesta categoria todas as despesas que se repetem mês a mês e que sofrem pequenas variações. São despesas que não dependem da produção e/ou do volume de vendas para existirem. Entre os custos fixos, estão:

  • gastos com a folha de pagamento;
  • despesa de aluguel e condomínio;
  • gastos com energia elétrica, telefone, internet etc.

Custos variáveis

Diferente dos custos fixos, nos custos variáveis não há uma previsibilidade e constância. Esses custos estão atrelados ao volume, produção e vendas. Por isso, quanto maior o número de vendas, maior será o percentual de custos variáveis. Nesta categoria, estão:

  • custos com aquisição de matéria-prima;
  • comissões por vendas;
  • taxas de entrega e remessa, entre outros.

Margem de contribuição

Além dos custos fixos e variáveis, o gestor também precisa conhecer o indicador de margem de contribuição. Ele é considerado um dos indicadores mais importantes do negócio, já que aponta para o excedente entre o preço de venda do produto e os totais de custos variáveis. 

A margem de contribuição nada mais é do que o valor do produto depois de deduzidas as despesas com custos de produção/compra e vendas. A partir da análise desta margem, é possível identificar se a venda trouxe lucro efetivo para o negócio. 

Agora que você já tem em mãos as informações sobre gastos fixos, gastos variáveis e margem de contribuição, fica fácil calcular o breakeven. Basta aplicar os dados obtidos na seguinte fórmula:

BREAKEVEN = (Gastos fixos + Gastos variáveis)/Margem de contribuição

É importante destacar que algumas despesas e receitas não podem ser levadas em consideração no cálculo do breakeven. Não entram no cálculo, por exemplo, os gastos naturais das máquinas e dos equipamentos, e as reservas, que reduzem a receita, mas não representam saídas de caixa. 

Além disso, a amortização também não entra no cálculo de breakeven, uma vez que não representa saídas no caixa da empresa. Todas as despesas e receitas que não representarem a efetiva entrada ou saída de recursos do caixa da empresa, não podem ser consideradas na hora de realizar o cálculo de breakeven. 

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade