Dengue: Conheça os principais sintomas e como se precaver

Tempo de leitura: 7 min

Escrito por gabriel
em junho 8, 2022

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Compartilhe agora mesmo:

A dengue é considerada um dos maiores problemas de saúde pública do mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 100 milhões de pessoas sejam infectadas todos os anos.

Ela é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti e disseminada principalmente em regiões tropicais e subtropicais, como o Brasil, e chega principalmente em pontos de pouco saneamento básico e água parada.

Os principais sintomas da dengue são dores musculares e intensas que geralmente duram mais de uma semana. Por isso, ao longo dos anos, com a disseminação da doença, a dengue foi definida como “febre quebra-ossos”, dândi ou febre de 7 dias.

De maneira geral, o centro de medicina do trabalho, bem como todos os órgãos públicos e privados de saúde, lutam contra a dengue desde seu início. Vamos abordar com mais detalhes os principais sintomas da dengue, bem como as melhores medidas de prevenção. Confira!

Epidemiologia da dengue

A dengue é uma doença endêmica presente em mais de 100 países, e sua incidência aumentou dramaticamente em todo o mundo nas últimas décadas. A OMS estima que haja de 50 a 100 milhões de casos por ano.

O pico de infecções é registrado durante e após a estação chuvosa. Ela tem ocorrências maiores em países com climas tropicais e subtropicais, mas também pode afetar áreas de clima temperado e quente.

Isso porque os turistas que retornam de áreas endêmicas podem de fato favorecer a disseminação esporádica da doença no próprio país. O comércio também pode promover a propagação da doença fora das áreas mais propícias.

Ou seja, basta pensar no comércio de equipamentos de proteção individual, por exemplo, que, ao reterem pequenas quantidades de água no seu interior, representam o habitat ideal para os mosquitos depositarem os seus ovos.

Por isso que as principais medidas de combate são realmente não deixar água parada, além de medidas de saneamento básico, principalmente porque essa questão da água é algo crucial, por isso é tão frisado em comerciais e campanhas de combate à doença.

Generalidade

A dengue é uma doença febril aguda de origem viral transmitida ao homem pela picada de mosquitos infectados. O vírus da dengue é um arbovírus (termo genérico referente a vírus transmitidos ao homem por artrópodes) pertencente ao gênero Flavivirus e à família Flaviviridae.

Até o momento, são conhecidos 4 sorotipos virais diferentes, muito semelhantes entre si: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4, dos quais o 2 e o 3 estão frequentemente associados às formas mais graves da doença.

A dengue pode ocorrer de duas formas distintas: dengue clássica (forma benigna da doença) e dengue hemorrágica (DE, forma grave e com risco de vida) com ou sem estado de choque (SSD, síndrome do choque da dengue).

Afinal, como reconhecer os sintomas da dengue?

Com novos vírus surgindo, pandemia da COVID-19 e tantas doenças respiratórias sendo disseminadas, só restam as dúvidas para identificar se é dengue, gripe ou qualquer outra virose.

Para te ajudar a identificar os sintomas da dengue, separamos os quadros mais recorrentes em pessoas infectadas. Os sintomas típicos da dengue clássica em crianças incluem:

  • Dor de cabeça;
  • Febre alta e repentina;
  • Vômitos;
  • Calafrios;
  • Diarreia;
  • Erupção maculopapular (manchas e bolhas na pele).

Em crianças maiores e adultos, a dengue clássica apresenta-se como uma doença semelhante à gripe, com febre, dor de cabeça, fraqueza, lombalgia, dor óssea e articular e distúrbios gastrointestinais.

É importante lembrar que, com ou sem o aparecimento de erupção maculopapular descrita acima (erupção cutânea com pequenos elementos vermelhos), é preciso evitar contato com pessoas sadias.

Evite usar as mesmas seringas compradas pelo fornecedor de seringas entre as pessoas, como também compartilhar utensílios pessoais e todos os elementos que possam vir a causar contágio.

Dengue hemorrágica

A dengue hemorrágica (DE) é caracterizada por febre com duração de 2 a 7 dias com sinais e sintomas gerais consistentes com dengue normal.

Além disso, a pessoa infectada pode queixar-se de sangramento do nariz e gengivas, notar sangue nos olhos, hemorragias conjuntivas ou apresentar hemorragias subcutâneas.

Quando a febre diminui, os sinais podem se desenvolver, e isso indica o início de um período de 24 a 48 horas em que os vasos sanguíneos menores (capilares) rompem.

Eles se tornam tão permeáveis ​​que permitem a transferência de fluidos sanguíneos para o peritônio (resultando em ascite) e para a cavidade pleural (portanto com derrames pleurais), sendo preciso em alguns casos até utilizar um respirador pulmonar.

Isso pode levar à insuficiência circulatória e choque, podendo até mesmo causar a morte na ausência de tratamento adequado e oportuno.

Por isso, a dengue hemorrágica deve ser monitorada para evitar qualquer desidratação e a estrutura eletrolítica por meio de infusões intravenosas específicas, a fim de evitar o aparecimento do choque.

Em casos extremos, a transfusão de sangue, plasma ou hemoderivados pode ser necessária.

Ter contraído a doença confere imunidade apenas ao vírus que a causou; portanto, como a dengue pode ser determinada por 4 sorotipos diferentes do vírus, um pode ser infectado novamente por um dos outros três.

O que fazer em caso de sintomas suspeitos?

Se, ao regressar de uma viagem a uma zona endêmica, por exemplo, passar a sentir os sintomas típicos da doença, é bom consultar um médico o quanto antes para confirmar e descartar doenças com manifestações semelhantes, como malária, tifo, febre amarela e outras.

Descanse e beba bastante líquido. Em caso de dor intensa e dores de cabeça, tome um medicamento anti-inflamatório, evitando salicilatos que aumentam o risco de sangramento e causam síndrome de Reye em crianças.

Se for preciso, solicite um atestado de saúde ocupacional retorno ao trabalho para ficar em repouso até que os sintomas da doença sejam amenizados e tratados.

Diagnóstico

Dada a sintomatologia da dengue clássica, o diagnóstico é feito por meio de exames laboratoriais específicos, visando a busca de anticorpos específicos, na identificação do material genético do vírus por PCR ou procurando alterações nos parâmetros sanguíneos típicos da doença.

Tratamento

Infelizmente ainda não existe um medicamento específico para tratar uma infecção pelo vírus da dengue. Em caso de suspeita de infecção, os analgésicos à base de paracetamol podem ser prescritos.

Os à base de ibuprofeno, naproxeno e aspirina devem ser evitados, pois são responsáveis ​​por um possível aumento da fluidez do sangue (o que pode piorar o sangramento).

Além disso, é necessário tomar algumas medidas como:

  • Descanso;
  • Beber bastante líquido para evitar a desidratação; 
  • Proteger-se de picadas de mosquito durante a febre;
  • Consultar o médico.
  • Se piorar, vá imediatamente ao médico.

O manejo adequado da DE geralmente requer hospitalização. Se houver um portador de dengue em sua casa, precauções adicionais devem ser tomadas para evitar que os mosquitos piquem o doente e, posteriormente, outros moradores da casa.

É essencial dormir protegido por uma tela mosquiteira contra dengue e usar repelentes a fim de evitar a disseminação.

Prognóstico e mortalidade

A infecção causada pelo vírus da dengue pode ser assintomática ou se expressar com amplo espectro clínico que inclui expressões graves e não graves.

A OMS estima que, a cada ano, 500 mil pessoas sejam hospitalizadas com dengue grave no mundo, com uma taxa de letalidade em torno de 2,5%. No entanto, muitos países conseguiram reduzir a mortalidade para menos de 1%.

Incidência de infecção

Como citado anteriormente, o vírus da dengue tem quatro sorotipos diferentes, ou subespécies. Após uma doença, a imunidade se desenvolve apenas nessa subespécie, ou seja, a infecção por dengue pode ser adquirida quatro vezes.

É preciso evitar compartilhamento de descartaveis cirúrgicos a fim de prevenir contágio e a infecção.

A dengue tem cura?

Na maioria dos casos, a dengue desaparece sozinha em 10 dias. A principal complicação é o choque hemorrágico, que ocorre quando cerca de 1 litro de sangue é perdido.

Isso faz com que o coração perca a capacidade de bombear o sangue por todo o corpo, causando sérios problemas em vários órgãos e colocando em risco a vida da pessoa.

Como qualquer infecção, pode levar ao desenvolvimento da síndrome de Guillain-Barré (doença em que o sistema imunológico ataca os nervos), encefalite (inflamação do cérebro) e outras complicações neurológicas.

É por isso que estar em dia com as medidas de prevenção é indispensável e de responsabilidade de todos, seja em casa ou ambientes corporativos.

Um esterilizador para laboratório pode ser indicado para esterilizar vasos e pratos de plantas naturais que geralmente ficam paradas na sacada desses locais, por exemplo.

Logo, em todos os lugares é preciso se atentar a esses detalhes de água limpa parada que é um dos principais meios de disseminação da dengue.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Compartilhe agora mesmo:

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.